sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Vá em paz Mestre Jonas....


A musica mineira amanheceu de luto nessa sexta feira... Foi-se o nosso querido Mestre Jonas, um dos maiores compositores da nossa musica na atualidade. Ele estava internado desde o início dessa semana devido a um AVC e mesmo com o apoio de amigos e admiradores de todos os cantos, mestre Jonas não resistiu e partiu...

Deixou saudades e suas musicas... Essas sim, por sua força e beleza, são eternas e nos ajudarão a guardar em nosso coração a memória desse grande artista!



Mestre Jonas por Israel do Vale:

Mestre Jonas palmilhou de pés descalços a religiosidade e a sonoridade de matriz africana desde a mais tenra idade, no terreiro de mãe Marli, sua mãe de sangue, no quintal da casa em que cresceu, num dos maiores conjuntos de vilas e favelas de Belo Horizonte, o Aglomerado da Serra. E desenrolou a carreira musical no universo do samba, nas Minas Gerais. Mas seria restritivo supor que isso faria dele um sambista, apenas – por mais vínculos que se tenha, por mais lisonjeiro que fosse.

Presença certeira nos eventos da exuberante cena de samba e choro que floresceria no estado na última década, Mestre Jonas é um dos criadores de projetos que ajudaram a sedimentar o interesse e a movimentação em torno deste repertório. Os mais notáveis são o Samba do Compositor (onde dividiria o palco com baluartes como Nei Lopes e Hermínio Bello de Carvalho) e o Samba da Madrugada (uma concorrida roda de samba idealizada e realizada com alguns de seus principais parceiros, nas madrugadas de sábado para domingo de Santa Tereza e, mais tarde, do bairro Caiçara).

Violonista, cantor e compositor, Mestre Jonas começaria a obter reconhecimento público a partir do projeto Reciclo Geral, importante termômetro de uma geração que começava a entrar em ebulição e reuniria cerca de 70 novos compositores numa série de oito shows, em 2002.

Desde então, sucederiam-se alguns shows no exterior (em 2008, em Paris) e apresentações em diversos estados brasileiros –com destaque para a curiosa turnê “Fuscazul”, que faria com Silvia Gommes a bordo de um Volkswagen azul, por capitais da região sul do país.

A estreia em disco revela um compositor superlativo, não apenas pela obra profícua que enfileira dezenas de composições inéditas, mas pela riqueza de sonoridades e a vastidão de temas e possibilidades estéticas que aborda e sintetiza. Sambêro nasce, desde o título, como busca, mais que um fim em si. Gíria carioca atribuída, pejorativamente, a sambistas de pouca intimidade com o riscado, o termo é, aqui, ressignificado como forma de relativizar os limites que definem e nomeiam um percurso artístico.

Desde cedo, Jonas, conviveu com as manifestações da cultura popular. Filho de mãe-de-santo foi criado vendo e ouvindo as Folias de Reis, as Congadas e festa de Nossa Senhora do Rosário, Rodas de Pagodes e Capoeiras, desafio de Repentistas e nos tempos áureos do carnaval de Belo Horizonte onde era seguidor do Grêmio Recreativo Escola de Samba Canto da Alvorada.


Assista ao show de lançamento do CD "Sambêro":



.


Nenhum comentário: