terça-feira, 25 de outubro de 2011

Zé da Zilda / Zé Com Fome

De seus três nomes, José Gonçalves era o menos conhecido. Passaria por um Zé qualquer entre tantos... Mas esse Zé foi, nas palavras de Candeia, um sambista de renome, literalmente. Contam que ganhou seu primeiro apelido ao representar um personagem chamado Zé Com Fome na Casa de Caboclo (um teatro popular, fundado e dirigido por Antônio Lopes de Amorim durante a década de 30).

Amigo de infância de Cartola, cresceu na Mangueira e desde menino já tocava cavaquinho. Foi crescendo e aprendeu a fazer samba com maestria... Foi integrante da ala de compositores da Mangueira, parceiro de Cartola, Carlos Cachaça, e outros grandes sambistas, compondo belos sambas de terreiro como “Quem se muda pra Mangueira”  interpretado abaixo por Dona Zica e Nélson Sargento:

Quem se muda pra Mangueira (Zé da Zilda)
Intérprete: Dona Zica e Nélson Sargento

Mangueira, foste tu sempre a primeira
És a única bandeira sem orgulho e sem maldade

Quem se muda pra Mangueira é verdade
Leva a vida cheia de felicidade
Quem se muda de Mangueira tem saudade
E voltará ou mais cedo ou mais tarde..

Em 1940, Zé com Fome, a convite do maestro Villa-Lobos, participou ao lado de Cartola, Pixinguinha, João da Bahiana, Jararaca, Zé Espinguela, Donga e Luiz Americano, da gravação dos famosos discos de Leopold Stokowski, registrados no navio Uruguai. Confira abaixo duas faixas na voz de Zé da Zilda:

Seu Mané Luis (Donga) - Cantam Zé da Zilda e Janir Martins



Passarinho Bateu Asas (Donga)- Canta Zé da Zilda


Esses discos foram editados pela gravadora Columbia nos Estados Unidos, com o nome de Native Brazilian Music e você pode baixá-lo aquí.

 A dupla Zé da Zilda e Zilda do Zé


Mas foi em dupla que o Zé brilhou. Ele foi convidado por um amigo a ingressar na Rádio Educadora, onde trabalhou formando dupla com Claudionor Cruz, conhecido na época como Pente Fino. Anos mais tarde, já como chefe de um regional e com programa próprio, passou para a Rádio Transmissora. Foi quando conheceu e se casou com a cantora Zilda, com quem formou a Dupla da Harmonia, de grande sucesso no Rádio durante os anos 40 e 50.

"Paulo da Portela" (Aníbal Silva e Éden Silva)
Intérprete: Zé e Zilda



Porém, por uma falseta do destino, no dia 10 de outubro de 1954, Zé com fome nos deixou, deixou sua Zilda... Com apenas 46 anos, não resistiu a um derrame cerebral... Com o fim da dupla, tomada pela tristeza, Zilda homenageou o companheiro em forma de samba:


Meu Zé (Zilda Gonçalves e Ricardo Galeano)
Intérprete: Zilda gonçalves, 1955


Zé,
Onde estás que não respondes,
Onde é que tu te escondes,
Que eu não ouço o teu cantar
Zé,
Eu não sei viver sozinha,
Vida triste esta minha
Meu consolo é choroar sem parar
Como é possivel Zé, cantar agora?
Se sofro tanto,
Se a minha alma chora
Vê zé,
Que a minha vida tem sido ruim
Se não fossem as crianças, meu Deus
Eu nem sei o que seria de mim...


Segue o link para uma coletânea com 32 musicas de Zé da Zilda em 78 rpm:


 
.

Um comentário:

Anônimo disse...

Parabéns pelo blog! MARAVILHOSO