domingo, 3 de julho de 2011

Wilson Baptista

Hoje é o aniversário de nascimento do grande compositor Wilson Baptista, sambista de renome que se estivesse vivo completaria seus 98 anos. Wilson foi um dos principais compositores ligados ao samba nas décadas de 30 e 40, com mais de uma centena de gravações nas vozes dos principais cantores da época: Aracy de Almeida, Orlando Silva, Nélson Gonçalves, Linda Baptista, Carlos Galhardo, Jorge Veiga, Ciro Monteiro, Francisco Alves, entre outros... 

Quem quiser conhecer a fundo a obra desse grande sambista é só clicar nesse link e baixar a imensa coletânea em 78 rpm feita pelo blog Coisa da Antiga. Coisa fina... 

Como aperitivo, deixo alguns sambas do Wilson em interpretações mais recentes, mostrando que sua obra resiste ao tempo e tem até hoje uma enorme importância pra quem quer fazer ou simplesmente ouvir samba de qualidade! 

Não Era Assim (Wilson Baptista e Haroldo Lobo) – Samba retirado do ótimo “Ganha-se Pouco Mas é Divertido – Cristina Buarque canta Wilson Baptista” mostrando que a preocupação com os rumos que o samba tomava já existia há tempos... Ainda tem uma participação mais que especial do João da Baiana no finalzinho...


Não era assim que a bateria falava, não era assim
As cabrochas não sambavam assim
Você vai lá em São Carlos, Mangueira, 
Salgueiro, Matriz, todo morro enfim
Pode perguntar se era assim

Não havia bateria, era tudo diferente
A cabrocha não sambava esse ritmo tão quente
Pergunte ao João da Baiana, que vai responder por mim
Seo samba, se o samba era assim...


Já Sei (Wilson Baptista e Leonel Paiva) – Samba interpretado pela dupla Alfredo Del Penho e Pedro Paulo Malta, do disco “Dois Bicudos”. Mesmo com dificuldade para escrever o próprio nome, Wilson Baptista fazia versos no mais culto português com grande facilidade... 

Já sei que tu queres me falar
Pra que tanto medo, por que queres ocultar?
Se existe um segredo, fale em particular
Eu não fico satisfeito, podes bem desabafar

Não, não, não, não, não,
Não digas a ninguém
Logo eu quero saber
Se é pra mal ou se é pra bem

Sei, sei, sei, bem sei
Que são queixas de amor
Poderei dar um conselho aliviando tua dor


Tá Maluca (Wilson Baptista e Germano Augusto) – Tema recorrente na obra de Wilson, as desanvenças com a “patroa” são retratadas aqui na interpretação de Pedro Miranda no show “O Samba é Minha Nobreza”

Já observei minha mulher,
Tá maluca, tá maluca
Já brigou com toda a vizinhança
Tem prazer em me ver em sinuca
Quando o galo canta
E o sol vai me espantar
Ela se levanta, lava o rosto e vem brigar

Toda vez que eu chego em casa
Do portão eu ouço um grito
Vem ferir os meus ouvidos
E por isso eu vivo aflito
Todos os dias o Jornaleiro me chama atenção
João ninguém, maria fumaça em primeira edição



Nenhum comentário: