terça-feira, 31 de maio de 2011

Eu vou te mandar embora, ô ingrata solidão

Geraldo Babão
Hoje o "Samba em dois tempos" vira samba em três tempos... Afinal, entre as 3 gravações do samba "Ingrata Solidão" (também conhecido apenas como "Solidão) do salgueirense Geraldo Babão, ficou dificil descartar uma, então fica assim:

A primeira gravação, do também salgueirense Zuzuca, com a velha guarda do Salgueiro. Essa gravação foi retirada do disco "As minas do Rei Salomão", de 1975. Das três, essa é a que mais gosto:




A segunda, feita um ano mais tarde pelo mesmo Zuzuca no disco "Deu Zebra" de 1976, tem uma levada mais pra frente, mas tem tipo um sintetizador na introdução que me desagrada um pouco... mas depois volta ao normal e é sem duvida uma bela gravação:




Ingrata Solidão (Geraldo Babão)

Solidão
Por que tanto me persegue
E não me deixa de mão
 Solidão
Te considero em minha em vida
A pior tentação
 Solidão
Eu ainda espero um dia
A felicidade invadir meu coração

Eu vou lhe mandar embora
Ô ingrata solidão

Depois que conseguir tudo o que quero
Quem há muito eu espero
Não sentirei mais paixão
 Vou sufocá-la num beijo
Que é todo o meu desejo
Te esquecerei solidão



E, de brinde, a uma gravação mais recente, feita pelo grupo Terreiro Grande e Cristina Buarque em 2007, com destaque para o vozeirão do Tuco:





.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Tio Hélio e Wilson das Neves

Esse vídeo foi postado nos comentários pelo Valter Filé e pra não ficar perdido resolvi postar aqui pra todo mundo ver... O video foi gravado no Museu da República, Rio de Janeiro, em 2004 e mostra um show com os imperianos Hélio dos Santos (Tio Héilo) e Wilson das Neves, organizado pelo projeto Puxando Conversa. Excelente qualidade de áudio e imagem e um senhor de 101 anos mostrando que quando o assunto é samba, vale o versdo do Candeia: "a idade não importa, a cor da tua pele não interessa..."

Sambista de rua, artista do povo...

Outro dia, folheando o livro Almanaque do Samba achei uma foto do Pato n'água, diretor de harmonia da Vai Vai, personagem de um dos mais belos sambas do Geraldo Filme. Nesse áudio, retirado do ótimo disco "Nas Quebradas do Mundaréu", Plínio Marcos conta a história de Pato n'água e depois o Geraldo Filme entra cantando com um arranjo maravilhoso no 7 cordas...




Pato n'água
Silêncio no Bexiga (Geraldo Filme)


Silêncio
O sambista está dormindo
Ele foi mas foi sorrindo
A notícia chegou quando anoiteceu


Escolas 

Eu peço o silêncio de um minuto
O Bexiga está de luto
O apito de Pato n'água emudeceu

Partiu

Não tem placa de bronze não fica na história
Sambista de rua morre sem glória
Depois de tanta alegria que ele nos deu


Assim, 

Um fato repete de novo
Sambista de rua, artista do povo
E é mais um que foi sem dizer adeus.





.

sábado, 28 de maio de 2011

Cuidado Vovó

Elizeth Cardoso e Jorginho do Império cantam esse ótimo samba de Hélio dos Santos e Nilton Campolino



Cuidado, vovó
Tá pisando de um lado só
Fica quieto, meu neto
Que eu tô pisando certo

Que netinho danado
Se metendo no meu pisado
Não é o meu pé
E o sapato que tá entortado

Vovó vai ficar bonita...
Vai ficar bonita!

.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Promessa de Pescador (Dorival Caymmi)



Ouçam bem esse violão! Igual a ele não tem outro... Salve Dorival Caymmi


Alodé Iemanjá oiá!
Alodé Iemanjá oiá!

Senhora que é das águas
Tome conta de meu filho
Que eu também já fui do mar
Hoje tou velho acabado
Nem no remo sei pegar...
Tome conta de meu filho
Que eu também já fui do mar

Alodé Iemanjá oiá!
Alodé Iemanjá oiá!

Quando chegar o seu dia
Pescador véio promete
Pescador vai lhe levar
Um presente bem bonito
Para dona Iemanjá...
Filho seu é quem carrega
Desde terra inté o mar

Alodé Iemanjá odoiá!
Alodé Iemanjá odoiá!

.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Entrevista com Elizeth Cardoso

Com vocês, a Divina Elizeth... Pra mim, uma das maiores cantoras de todos os tempos.

Aqui ela conta que fez sua primeira apresentação aos cinco anos de idade, conta como no seu aniversário de 15 anos cantou para os convidados e encantou o gênio Jacob do Bandolim, que o levou pra Rádio pra cantar ao lado de Noel, Aracy... Daí pro título de divina foi um pulo!



Parte 1


Parte 2





.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Monarco e Guilherme de Brito

Trecho do show com Guilherme de Brito e Monarco em Tóquio. Quem quiser baixar o show na íntegra é só clicar aqui!



.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Silas, viga mestra do Império Serrano

Em agosto de 1942, o vapor Itagiba, que transportava tripulantes do exército brasileiro foi abatido na costa da Bahia por um submarino alemão. A notícia, ouvida com atenção pelos moradores de madureira causava apreensão:

"Interrompemos nossa programação para informar que mais um navio brasileiro foi torpedeado pelos submarinos alemães. Trata-se do Itajiba, atingido quando navegava ao largo do litoral baiano. Até agora, não temos nenhuma notícia a respeito dos sobreviventes..."

Logo se apurou que os sobreviventes eram poucos e para muitos foi um alívio saber que entre eles estava o soldado Silas de Oliveira Assumpção. De volta em casa, Silas que já havia exercido a profissão de professor, seguindo os passos do pai - professor rigoroso, além de pastor batista, homem sério que não gostava de samba - pensou logo em desistir da carreira militar... Chegou a trabalhar na guarda municipal, mas não se deu muito bem. Acabou conseguindo um emprego de guarda de portaria no Ministério da Educação, onde trabalhou até o fim da vida. Mas foi no samba que o "soldado" Silas de Oliveira fez história de verdade.



Como o pai não gostava, Silas, ainda novo, dava um jeito de sair escondido pra frequentar as rodas de samba e de jongo onde se inspirava ouvindo mestres como Rufino, Aniceto, Mestre Fuleiro e Mano Elóy. Tomou gosto pela coisa e em 1934 conheceu Mano Décio da Viola, seu grande parceiro e que o levou pra escola de samba Prazer da Serrinha, onde a dupla comôs o primeiro de uma série de sambas enredo que marcaram a história do samba.



Rádio Patrulha, samba de Silas de Oliveira, gravado por Eleninha Costa em 1955

Na Prazer da Serrinha tocou tamborim e foi diretor de bateria... Em 1940 desempenhava a inusitada função de revisor, corrigindo as letras dos sambas que seriam apresentados às pastoras no terreiro. Na década de 40, a direção pouco democrática da Prazer da Serrinha gerou um grande descontentamento por parte de vários compositores. Comandados por Sebastião Molequinho, protestaram, fizeram abaixo assinados e reunião, porém sem resultado... Ou melhor, o resultado foi o rompimento com a escola e a fundação do Grêmio Recreativo Escola de Samba Império Serrano, uma das mais tradicionais escolas do carnaval carioca. Entre seus fundadores, além de Silas de Oliveira, estão Molequinho, Mestre Fuleiro, João Gradim, Fumaça, Antônio Caetano... Só gente bamba.

Não deu outra... sem os mandos e desmando do "seu Alfredo" e com um time de compositores de primeira linha, a escola chegou arrasando as concorrentes e ganhou quatro carnavais seguidos: 1948, 1949, 1950, 1951 (titulos da FBES). Aliás foi o Império que quebrou a série de 7 vitórias seguidas da Portela.

Em maio de 1972, Silas foi se apresentar em uma roda organizada pelo Mauro Duarte, no Clube ASA, em Botafogo. Queria arrumar um dinheiro para pagar a inscrição da filha no vestibular. Quando cantava o samba "Os Cinco Bailes da História do Rio", sofreu um infarte fulminante e morreu ali, na batucada de bamba, na cadência bonita do samba...

Em pouco mais de 22 anos de dedicação ao Império, Silas compôs 14 sambas enredo, alguns deles considerados verdadeiras obras primas. Além disso, como não poderia deixar de ser, foi um grande compositor de sambas de terreiro. Preparei uma coletânea com alguns de seus sambas, quem não conhece é só baixar e se maravilhar com a obra desse grande mestre do samba!


01 - Meu Drama (Senhora Tentação) (Silas de Oliveira e Joaquim Ilarindo)
02 - Cruel Paixão (Silas de Oliveira)
03 - Fica (Silas de Oliveira)
04 - Desprezado (Silas de Oliveira e Mano Décio da Viola)
05 - Na água do Rio (Silas de Oliveira e Manoel Ferreira)
06 - O Império tocou reunir (Silas de Oliveira e Mano décio da Viola)
07 - Tristeza no Carnaval (Silas de Oliveira)
08 - Segura a conversa (Silas de Oliveira e Mano Décio da Viola)
09 - Berço do Samba (Edgard Cardoso e Silas de Oliveira)
10 - Calamidade (Silas de Oliveira)
11 - Rádio Patrulha (Silas de Oliveira, Marcelino Ramos, Luizinho e Dias J)
12 - Amor Aventureiro (Silas de Oliveira e Mano Décio da Viola)
13 - Ciências no Samba (Silas de Oliveira e Mano Décio da Viola)
14 - Apoteose do samba (Silas de Oliveira e Mano Décio)
15 - Legado de Getulio (Silas de Oliveira e Walter Rosa)
16 - A paz universal (Silas de Oliveira e Mano Décio da Viola)
17 - 61 anos de república (Silas de Oliveira e Mano Décio)
18 - Exaltação a Duque de Caxias (Silas de Oliveira e Mano Décio)
19 - O Caçador de Esmeraldas (Silas de Oliveira e Mano Décio)
20 - Medalhas e Brasões (Silas de Oliveira e Mano Décio)
21 - Aquarela Brasileira (Silas de Oliveira)
22 - Os cinco bailes da história do Rio (Silas de Oliveira, Ivone Lara e Bacalhau)
23 - Glória e graças à Bahia (Silas de Oliveira e Joacyr Santana)
24 - São paulo chapadão de glórias (Silas de Oliveira e Joacyr Santana)
25 - Pernambuco leão do Norte (Silas de Oliveira)
26 - Heróis da Liberdade (Silas de Oliveira, Mano Décio e Manoel Ferreira)



.

Minha Festa

João Bosco canta "Minha Festa", belo samba de Guilherme de Brito e Nélson Cavaquinho.


Graças a Deus
Minha vida mudou
Quem me viu, quem me vê
A tristeza acabou
Contigo aprendi a sorrir
Escondeste o pranto
De quem sofreu tanto
Organizaste uma festa em mim
É por isso que eu canto assim..


sexta-feira, 13 de maio de 2011

13 de Maio...

Foto: Vinicius Terror


Jongueiro cumba 
(Wilson Moreira / Nei Lopes) 

O sino badalou no campanário 
O hino da Senhora do Rosário 
O povo todo bonito 
Dança pra São Benedito 
Lá de Luanda o luar 
Vem pra nos alumiar 

Angu ara pra correr 
De boca em boca: 
Não pára que essa goela fica rouca! 
Canta, meu povo do Congo 
Afoga essa mágoa no jongo 
Não deixe angoma calar! 

Ah, eu sou jongueiro cumba 
Sou jongueiro cumbambá 
Oi, é tumba na cacunda: 
Ninguém vai me perrengar! 

Ô, Dora, tira a saia do balaio 
Vambora festejar treze de maio! 
Vem que o boião tá fervendo 
Depois só no mês de novembro 
Mês de Zumbi saravá 
E de parar pra pensar 
O dia tanto treze quanto vinte 
Avia que o negócio é o seguinte: 
Um é feriado novo 
O outro é de todo esse povo 
Vamos os dois festejar

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Pimpolho Moderno



O Nélson Cavaquinho fez um samba todo orgulhoso pro seu filhinho de 5 anos! João Nogueira dá uma força na interpretação do samba de Nélson Cavaquinho e Gérson Filho, gravado pelo oão no disco "O Homem dos 40", de 1982.



E aqui uma gravação caseira com o próprio Nélson Cantando e tocando seu violão:



Dos filhos meus, o caçulinha é o fim
Saiu ao pai, ele é igualzinho a mim?
Já esta de olho na filhinha do vizinho ali ao lado
Parece que mais tarde isso não vai dar bom resultado
Cantar um samba para ele é de colher
Ele tem 7 anos só diz assim:
Papai me arranja um mulher

Já estou preocupado com os atos do pimpolho
Ao passar por uma jovem ele logo pisca o olho
Se entro num barbeiro ele tambem quer se barbear
Diz que é vasco e até um charuto ele quer fumar
Comprimenta todo mundo, como adora uma viola
Cismou que a teresinha agora esta lhe dando bola


.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Dorival Caymmi

Ouvindo uns discos do Dorival Caymmi, percebi que ainda não falei sobre esse gênio aqui no blog. Aliás, do velho baiano não precisa ser dita muita coisa, basta ouví-lo cantando suas letras e dedilhando seu violão... não precisa mais nada.

Caymmi é simples e inigualável... Você já foi à Bahia? não?  então vá... mas se não der, ouça Caymmi... Faça um belo passeio pela  poesia do mestre e conheça toda a beleza da Bahia... Em pleno Dois de Fevereiro, dia de festa no mar, dia de ouvir Histórias de Pescadores, as Lendas do Abaeté...

Depois fazer uma boquinha na barraca da Preta do Acarajé e se deslumbrar com a morena que passa, mexendo as cadeiras, deixando todo mundo doido... As mulheres com ciúmes, resmungando - "essa vizinha aí do lado..." - e a molecada gritando, "onde vais Morena Rosa, com essa rosa no cabelo e esse vestido de bolero?"... E ela responde: "Eu vou é lá pra Maracangalha", vou ouvir Dorival cantar... Caymmi é isso, é conhecer a Bahia sem sair de casa... E no fim do disco vocês já estarão com saudades da Bahia...






 Pra quem conhece pouco, baixe e conheça mais... Pra quem não conhece, siga a dica do Chico Buarque e "use Dorival Caymmi" sem moderação!

Canções Praieiras - 1954

Sambas - 1955
  
Eu vou pra Maracangalha - 1957

Caymmi e o Mar - 1957

Ary Barroso e Dorival Caymmi - 1958

Dorival Caymmi - 1960

Caymmi, Som, Imagem, Magia - 1985


.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Guilherme de Brito e Monarco no Japão - 1992

Há alguns dias o Raul, membro da comunidade "Samba de Raiz" lá no falecido Orkut postou uma brasa que tenho que compartilhar com os leitores do Receita...

Trata-se de um show feito por Guilherme de Brito e Monarco em Tóquio, no Theatre Apple, em 29 de maio de 1992. O vídeo teve apenas 500 cópias editadas em VHS e foi digitalizado por um japonês que enviou para o Raul lá em Portugal, que disponibilizou os links na net pra todo mundo baixar! Salve a tecnologia!

Um grande abraço ao Raul e ao tal Japonês, que nos permitiram ver e ouvir esses dois grandes mestres juntos em imagens praticamente inéditas!

Seqüencia de musicas:

01 – Sertaneja (Guilherme de Brito)
02 – Canção para Conservatória (Guilherme de Brito)
03 – Corpo e Alma (Guilherme de Brito)
04 – Jogo Desonesto (Guilherme de Brito)
05 – Intriga (Guilherme de Brito e Monarco)
06 – De Paulo a Paulinho (Monarco)
07 – Deixa Meu Nome em Paz (Monarco)
08 – Passado de Glória (Monarco)
09 – Proposta Amorosa (Monarco)
10 – Quitandeiro (Monarco)
11 – Linda Borboleta (Monarco)
12 – Fiz Por Você o Que Pude / Silenciar a Mangueira Não (Monarco)
13 – As Rosas Não Falam (Guilherme de Brito)
14 – Notícia (Guilherme de Brito e Monarco)
15 – Quero Alegria (Guilherme de Brito)
16 – A Vida (Guilherme de Brito)
17 – Tatuagem (Guilherme de Brito)
18 - Se Você Me Ouvisse (Guilherme de Brito)
19 – Quando Eu Me Chamar Saudade (Guilherme de Brito)
20 – A Flor e o Espinho (Guilherme de Brito)
21 – Folhas Secas (Guilherme de Brito)
22 – Pranto de Poeta (Guilherme de Brito e Monarco)

LINKS PARA DOWNLOAD:

Formato: AVI
Tamanho total: 1,05 Gb
Tamanho de cada arquivo: aproximadamente 95 Mb

Parte 1   Parte 2   Parte 3   Parte 4   Parte 5   Parte 6

Parte 7   Parte 8   Parte 9   Parte 10   Parte 11


.