quinta-feira, 29 de abril de 2010

E por falar em mundo João...

Olha só que coisa linda esse samba, do Martinho com o João Nogueira... De arrepiar ouvir os dois sambistas personificando um diálogo entre um certo João e um certo José... lembrem-se que o Martinho é também José Ferreira. "João e José" foi lançada no ótimo "Rosa do Povo" de 1976.

João e José
(Martinho da Vila e João Nogueira)



Ô João, ô João
Seu chará batizou Cristo
Cristo batizou João
Lá no Rio de Jordão...

Se João também soubesse
Quando em junho é seu dia
Viria do céu pra Terra
Todo cheio de alegria

Soltando foguetes joão
Fazendo festejos e tanta fogueira
Que queimava o mundo
Diz a lenda...

Por falar em mundo João
Como vai o mundo João
Esse nosso mundo João
Que é de todo mundo João
Anda João, vamos João, diga João, fala...

Não tá mole não, José
Esse mundo louco
A televisão mostra sempre um pouco
Bala de canhão e bomba de troco
Bem pertinho irmão
lá do Rio Jordão

Mas a salvação José,
É nossa Rosa do Povo
Que dá ao povão
Horizonte novo

Jogo de Barão é Rosa do Povo
O nosso sambão é Rosa do Povo
Esse seu sorriso, José,
É Rosa do Povo

O Vasco, o Mengão, é Rosa do Povo
Rosa do violão, é Rosa do Povo

Então que seria João,
Do povo sem rosa?
É, nem haveria José,
Essa nossa prosa.

É José, é João, é Drummond, é paixão
É o irmão, é o amor,
Linda flor em botão

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Samba da Bahia - Assis Valente

Mais um dos ótimos programas da Educadora FM. Esse sobre o baiano Assis Valente:

Antenor Gargalhada


Apesar de pouco conhecido nos dias de hoje, Antenor Santíssimo de Araújo, ou simplesmente Antenor Gargalhada foi um dos maiores sambistas que o morro do Salgueiro já conheceu. Nascido em 1909, Antenor era figura das mais carismáticas, cheio de malandragem no uso de gírias e dono de uma risada que podia ser ouvida de longe e que acabou lhe rendendo o apelido. Trabalhava como vigia em uma fábrica de cerveja e dizia que alí ficava "para impedir que alguém achasse algo que não perdeu"...

No mundo do samba, foi fundador e diretor de harmonia da escola de samba Azul e Branco, chegando a ser eleito o "Cidadão Samba" de 1938, concorrendo com o também legendário Paulo da Portela. Como o eleito tinha o direito de escolher três secretários (isso mesmo!), Antenor indicou três sambistas do Salgueiro: Casemiro Calça Larga, Artur da Silva Jordão e Claudemiro Pereira de Araújo.

Morreu tuberculoso aos 32 anos, em 1941, ano que a sua escola
se calou em respeito ao genial compositor e fundador e não saiu às ruas no carnaval.

O Antenor Gargalhada é um compositor que, confesso, só fui conhecer há puco tempo, através da coleção História das Escolas de Samba (postada aquí no blog há um tempinho) que dedicou um bom espaço ao compositor em um dos volumes lançados. Também achei muito pouca coisa sobre ele na net. Como gostei muito, vou ajudar a divulgar a obra dele, disponibilizando aqui no blog as poucas musicas que consegui encontrar. As musicas, com excessão apenas de "Eu agora fiquei mal" e "Nêga o que queres de mim", são composições que ficaram inéditas até a década de 70, quando foram lançadas na coleção a que me referí...

Quem souber de mais coisas dele, por favor manda o link aí!



1 - Eu agora fiquei mal (Antenor Gargalhada e Noel Rosa)




Samba de 1931, sua única parceria com Noel. Cantado por Canuto e com arranjos e orquestração bem característicos da década de 30, é um samba "dor de cotovelo" no estilo engraçadinho, lembrando bastante alguns sambas do Noel...


2 - Nêga, o que queres de mim? (Antenor Gargalhada)




Antenor Gargalhada escreveu só a primeira parte desse samba. Nessa gravação, feita pelo Coral samba Livre, foram emprestados alguns versos já tradicionais nas rodas para completar a música!

3 - Amanhecer (Antenor Gargalhada)




Mais uma gravação do Coral Samba Livre. Essas gravações não são datadas no disco, de 1976.


4 - O morro é completo (Antenor Gargalhada)




Assim como a anterior, essa música faz uma espécie de crônica do morro, o que parece ser uma característica do compositor, utilizando-se muitas vezes do bom humor pra relatar situações e comportamentos característicos dos morros do Rio naquela época...


5 - Arrependimento (Antenor Gargalhada e João Melo)




Mais um caso de parceria póstuma no samba (por exemplo, gosto muito de Ao meu amigo Edgar, de Noel e João Nogueira). Antenor escreveu a primeira e, mais de 40 anos depois o compositor João Melo fez uma segunda pra ser gravada...


6 - Homenagem a Antenor Gargalhada (Geraldo Babão)




Homenagem feita por Geraldo Babão, grande nome do Salgueiro, compositor de sambas enredo memoráveis. Na voz do próprio Geraldo Babão, ouvimos alusões à obra de Antenor Gargalhada, seu grande mestre nos caminhos do samba!


segunda-feira, 19 de abril de 2010

Paulinho da Viola

Programa da Educadora FM sobre o Paulinho da Viola. Vale a pena conferir!

Oscar da Penha (Mestre Batatinha)



Publico hoje quí no blog uma homenagem a um grande compositor do samba baiano! Na verdade essa homenagem foi inspirada nas informações reunidas pelo meu amigo Oswaldo (nosso professor poeta, grande conhecedor do samba) a partir do Dicionário Cravo Albin da MPB e postadas na comunidade de samba de raíz, lá no Orkut...

Fica aqui meu agradecimento ao Professor Oswaldo pela contribuição! Espero que saboreiem essas belas receitas baianas!

Batatinha (Oscar da Penha)

Nascimento: 5/8/1924 Salvador, BA
Falecimento: 3/1/1997 Salvador, BA


Na década de 1940 apresentava-se no Programa Campeonato do Samba, da Rádio Sociedade da Bahia. Compôs nessa época "Olha aí o que que há?", "Iaiá no samba", "Eu sou cobrador", "Feijoada no samba".

A primeira gravação de uma música sua, "Jajá da Gamboa", por Jamelão, deu-se em 1954. Em 1957 Glauber Rocha usou a composição "Diplomacia" no curta-metragem "Barravento". Maria Bethânia, a principal responsável pela projeção nacional do artista, gravou em seu primeiro disco, de 1965, suas composições "Diplomacia" e "Só eu sei".

No ano de 1971, Maria Bethânia voltou a interpretar outras composições de sua autoria: "Toalha da saudade", "Imitação", e "Hora da razão", no disco "Rosa dos Ventos". No ano seguinte, em 1972, a cantora interpretou de sua autoria "O Circo", no LP "Drama".

Em 1975, juntamente com Panela e Riachão, gravou o LP "Samba da Bahia", no qual interpretou "Diplomacia", "Inventor do trabalho", "Direito de sambar" e "Ministro do samba", em homenagem a Paulinho da Viola.

Realizou alguns shows importantes durante sua carreira como "Bahia de Todos Os Santos" e "Projeto Pixinguinha".

No ano de 1976 lançou o LP "Toalha da saudade". Quando completou 50 anos de carreira, em 1993, lançou o disco "50 anos de samba", no qual regravou algumas composições de sua autoria que foram sucessos com outros artistas.








OUÇA NA FONTE!


Batatinha e Companhia Ilimitada (1969)



1 - Diplomacia (Batatinha - J. Luna) canta Inema Trio
2 - Não suje o meu caixão (Panela - Garrafão) canta Antonio Moreira
3 - Chorinho fuga ou Desengano (Batatinha - Cid Seixas) canta Carlos Gazineo
4 - Vôo a Lua (Batatinha) canta Carlos Gazineo

Baixar no Prato e Faca


Toalha da Saudade (1976)



1 - Toalha da saudade (J. Luna - Batatinha)
2 - Rosa tristeza (Batatinha - Edil Pacheco)
3 - Hora da razão (J. Luna - Batatinha)
4 - Babá de luxo (Bob Laô - Batatinha)
5 - Marta (Batatinha)
6 - Ondas do mar (Mapin - Batatinha)
7 - A sorte do Benedito (Batatinha)
8 - Fora do meu samba (Batatinha)
9 - Espera (Batatinha - Ederaldo Gentil)
10 - Ironia (Batatinha - Ederaldo Gentil)
11 - Marca no pé (Carlos Conceição - Batatinha)
12 - Indecisão (Batatinha)

Baixar no Prato e Faca


Batatinha - 50 Anos de Samba

1 - Arrogância (Jairo Simões - Batatinha)
2 - Agô, Agô (Lula Carvalho - Batatinha)
3 - Imitação (Batatinha)
4 - Nazaré das Farinhas (Zezinha Baiana - Batatinha)
5 - Circo (Batatinha)
6 - Jajá da Gamboa (Batatinha - Jamelão)
7 - Diplomacia (Batatinha -J.Luna)
Direito de sambar (Batatinha)
Espera (Batatinha -Ederaldo Gentil)
8 - Grande rei (D. Cruz - Batatinha)
9 - Não pise meu calo (Batatinha)
10 - Vai levando (Batatinha)

Baixar no Prato e Faca




domingo, 18 de abril de 2010

Velho Aniceto, fundador do grande Império....

Dica da galera da comunidade de Samba de Raíz lá no Orkut...
Um dos últimos registros do Velho Aniceto...