segunda-feira, 18 de maio de 2009

A polêmica de "Pelo telefone"


Considerado o primeiro samba a ser gravado, Pelo Telefone foi inspirado num episódio verídico:

No dia 20 de outubro de 1916, Aureliano Leal, chefe de polícia do Rio de Janeiro, então Distrito Federal, determinou por escrito aos seus subordinados que informassem "antes pelo telefone" aos infratores, a apreensão do material usado no jogo de azar.

Reza a lenda que o samba/maxixe "Pelo telefone" foi composto em 1916 por um grupo de amigos, assíduos nos batuques que aconteciam no quintal da Tia Ciata, na Praça Onze, região central do Rio de Janeiro. Os possíveis autores seriam Hilário Jovino, a própria Ciata, Mestre Germano, João da Mata e Sinhô mais Donga e Mauro de Almeida, de acordo com o livro No tempo de Noel Rosa, lançado por Almirante em 1962.

Entretanto, quase tudo a que este samba se refere é motivo de discussão: a autoria, a afirmação de que foi o primeiro samba gravado, a razão da letra e até sua designação como samba.

Ernesto dos Santos, conechido como Donga, foi à Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro e registrou o samba em seu nome, causando um descontentamento entre seus companheiros que participavam das rodas onde o refrão foi criado. Muitos reivindicam participação na composição mas a música está registrada em nome de Donga e Mauro de Almeida.



Tia Ciata, criando uma briga que jamais chegou à reconciliação, publicou um anúncio no Jornal do Brasil garantindo que no Carnaval de 1917, na avenida Rio Branco, seria cantado o "verdadeiro tango Pelo Telefone dos inspirados carnavalescos João da Mata, o imortal Mestre Germano, a nossa velha amiguinha Ciata, o bom Hilário, com arranjo do pianista Sinhô, dedicado ao falecido repórter Mauro", seguindo-se a letra com o nome de Roceiro, denunciando Donga nas entrelinhas:

"Pelo telefone/A minha boa gente / Mandou avisar /

Que meu bom arranjo / Era oferecido / Para se cantar

- Ai; ai, ai / Leve a mão na consciência, / Meu bem /

Ai, ai, ai / Mas porque tanta presença / meu bem?

- O que caradura / De dizer nas rodas / Que esse arranjo é teu /

E do bom Hilário / E da velha Ciata / Que o Sinhô escreveu

- Tomara que tu apanhes / Para não tornar a fazer isso, /

Escrever o que é dos outros / Sem olhar o compromisso".


Além de questionamentos sobre sua autoria, Pelo telefone é mais um maxixe do que um samba propriamente dito, e o maxixe já era um rítmo comum entre chorões do final do século 19 e historiadores já registraram, em suas pesquisas, gravações anteriores que podem ser reconhecidas como samba e que comprovadamente foram gravadas antes da composição assinada pela dupla Donga/Mauro de Almeida.

A gravadora Odeon, por exemplo, que registrou o chamado samba pioneiro, antes dele já havia gravado, na série lançada entre 1912 e 1914, Descascando o pessoal e Urubu Malandro, classificados como sambas no próprio catálogo da fábrica.

Nenhum comentário: